As marcas de moda e o lifestyle, pela decoração de interiores (@LuxWoman)

Quando foi a última vez que as tuas peças de roupa te contaram uma história? (@LuxWoman)

Hoje quero falar-vos de marcas de moda que entraram no mundo da decoração de interiores e de como essa extensão do negócio alimenta e sustenta o conceito mais alargado de “estilo de vida”, aka o lifestyle

(…)

Justiça seja feita, pensemos que antes da era das celebridades offline e influencers digitais já muitas marcas haviam diversificado as categorias de artigos e produtos com os quais ficaram conhecidas, por forma a poderem (através de outro tipo de artigos, não raras vezes mais acessíveis), chegar a e conquistar novos clientes/consumidores. 

(…)

Contudo, no âmbito da marca, o zenith do lifestyle atinge-se quando pensamos em objetos de design e decoração e de como as nossas casas passam a assumir a griffe. 

Ambiente Armani © Armani Casa

(…) A partir desse lugar aspiracional, não é só a jornada do cliente que é denominada e caracterizada como sendo de 360º. Falamos em lifestyle quando a marca transcende a pessoa-cliente passando a vestir a família, os animais de estimação, a casa (leia-se a habitação principal, a casa de férias, o iate).

Não sendo então novidade que cada vez mais marcas de moda se aventuram no mundo da decoração, o primeiro exemplo que nos vem à cabeça será, sem dúvida, o da Zara Home.  

(…)

Não existe propriamente uma regra, um procedimento que estipula alguma métrica para tal simbiose. Existe sim uma vontade estratégica de desenvolvimento da marca com este abraçar de uma nova categoria, expandindo o negócio a complementares ou novos nichos de mercado. São, entre outras características, o upselling e o cross-selling em marketing e em gestão de retalho. 

Para os apreciadores da estética por detrás do business case, visitemos alguns exemplos, dos mais aspiracionais aos mais acessíveis.


Echarpes Amazônia e Transatlântica da Vista Alegre © Vista Alegre

Na sequência da onda de crescimento do negócio online de artigos de decoração, motivada pelo maior período de tempo durante o qual todos nós passámos confinados em casa e ou em teletrabalho, diversas marcas de moda abraçaram estas categorias, expandindo o negócio e elevando as suas marcas ao já referido conceito lifestyle.

(…)

No nosso país de referir a empresa de têxteis de decoração de interiores Aldeco. Sendo editores e especialistas têxteis, criam e oferecem uma variedade de tecidos para os vários segmentos de mercado da decoração e arquitetura de interiores, para a área da casa, residencial, contract, hotelaria, bares, restaurantes, espaços públicos, saúde, hospitais, geriatria, outdoor e náutica.

Coleção Rapsody da Aldeco © Aldeco

Representam marcas como Armani Casa, Blumarine, Gianfranco Ferre Home, Missoni Home, Roberto Cavalli Home, no segmento papel de parede. 

Em Setembro do mesmo ano, coincidindo com o evento de moda de Milão, Alta Moda, a marca Dolce & Gabbana apresentou a sua linha Casa nas 2 lojas inauguradas na capital milanesa. A marca oferecia nesta data cerca de 1500 referências compreendidas entre acessórios (velas, vasos, bandejas), loiças, têxtil-lar (almofadas, roupas de cama, tapetes) e 600 referências em mobiliário (sofás, poltronas, pufes, mesas, etc.). Cores vivas – vermelho, amarelo limão e azul céu, e decorações ricas eram os códigos mediterrânicos da marca. 

Seguiram-se aberturas de lojas Dolce & Gabbana Casa em Cannes, Capri e Puerto Banús. 

Sofá Anemone da Dolce Gabbana  © Dolce Gabbana

Esta é parte do artigo que tive oportunidade de escrever para a LuxWoman e que poderá ler na integra aqui.

pt_PT